There Are No Saints – Crítica Filme [TVCine FEST]

Um ex-criminoso que pretende entrar nos eixos enfrenta o rapto do seu filho que o obriga a regressar ao que era antes.

“There Are No Saints” mostra-nos a história de um ex-criminoso chamado Neto Niente (interpretado por “José María Yazpik”), apelidado de “O Jesuíta”, que acaba de sair da prisão por um crime que não cometeu. Após ter sido libertado depois de um guarda ter admitido falsificar provas, o nosso protagonista decide dar um ponto final à sua vida criminosa. Quem não gostou disto foi o seu cartel e alguns executores corruptos, que levam este descontentamento mais acima do desejado, colocando em perigo a sua ex-mulher Nadia (Paz Vega) e ao seu filho afastado Julio (Keidrich Sellati).

Uma história de ação muito violenta que leva o nosso protagonista a ter de enfrentar diversos perigos só para salvar aqueles que mais ama. “There Are No Saints” é só mais uma história do gênero, sem acrescentar algo de especial para se diferenciar dos outros filmes. Por outras palavras, é só mais um filme criminal que não tende a apresentar conteúdo inovador, e até mesmo chega a falhar onde outros não falham. Convenhamos, quando somos apresentados ao nome “Paul Schrader” (Guionista de Taxi Driver e Nomeado para os Oscars 2019) no pôster do filme, é de esperar que este não seja só mais um filme do gênero, quanto mais pensar que será ainda pior.

© 2021 LOS ARGONAUTAS PRODUCCIONES S DE RL DE CV. ALL RIGHTS RESERVED

Um dos maiores problemas do filme, é a obrigação forçada que o longa tenta colocar no espectador ao tentar fazer-nos ter amizade pelo protagonista. E como não podemos simplesmente comer aquilo que nos dão, mais para o final do filme, somos apresentados à verdade e a tentativa de fazer amizade com o personagem principal, acaba por se tornar num ódio, que nos faz torcer pelo “vilão”. Para não falar das vezes que o ator “José María” usa sem saber o porquê de diferentes expressões exageradas e tem vários comportamentos sem motivo ao longo do filme.

Para finalizar, com uma componente técnica tão escassa e tão mal aproveitada, o filme só se encontra com marés positivas quando somos levados para as visões dos antagonistas, e quando aparecem cenas mais grotescas e violentas. E, que cenas.

Related posts

The Acolyte – Primeiras Impressões Série

Furiosa: A Mad Max Saga – Crítica Filme

MAX chega a Portugal no dia 21 de maio! O que vai mudar?