Home FilmesCinema Spencer: Aqueles que não são loucos, são infelizes

Spencer: Aqueles que não são loucos, são infelizes

Critica Filme

by João Pedro

Após dez anos com a família real, a Princesa do Povo não vive propriamente feliz e ansiosa pela realização de mais uma celebração natalícia em Sandringham House. Diana tem ligações mais genuínas com o pessoal da casa do que com os seus residentes. A alegria genuína, encontra-a quando passa tempo com os filhos. Desesperada para escapar às tradições da realeza, foge pelo campo sob a cobertura da noite para uma viagem nostálgica de regresso à propriedade coberta de “Spencer”.

Diana sente-se controlada, manipulada e isolada. Numa altura em que, entre os meios de comunicação social, circulam rumores sobre o desmoronamento do seu casamento, a Princesa do Povo encontra consolo nos seus filhos, em Maggie, a sua Royal Dresser, e em Darren, um amigo de infância e chefe de cozinha da Sandringham House.

Quanto às outras pessoas, tendem a proteger família real e a forma como se devem apresentar. Mas é pura ilusão. O major Alistar Gregory, por exemplo, critica cada movimento de Diana, visto que ela é a nova cara e a heroína antecipada da terceira onda do feminismo. O staff dá-lhe instruções sobre como se deve vestir e indicações para fugir aos olhares do público. A Princesa não pode deixar as propriedades reais, a menos que seja acompanhada, e, se sair, estes passos têm de ser registados oficialmente.

A realeza é retratada como um núcleo louco ou muito, muito triste. E aqueles que não são loucos são infelizes. Os únicos normais parecem ser os jovens príncipes: William e Harry. Numa cena de partir o coração, William implora à mãe para parar de agir como louca, com medo do que ela possa fazer a si mesma enquanto está trancada numa casa de banho.

Alguns podem considerar que todo este protocolo incidia na persona pública que entrou na vida de Diana e que, desta feita, ela deveria aceitá-lo. Não obstante, “Spencer”, de Pablo Larraín, cria um retrato objetivo sobre o que é ser-se refém. Uma vida que parece apelar à proteção e aos melhores interesses de uma pessoa, mas onde as suas opções e opiniões são descartadas e colocadas em causa.

Larraín é um mestre em encontrar o espaço psicológico que abala com uma pujança assombrosa. Conseguiu isto porque se trata de seleção fictícia de um fim-de-semana emocional, antes de Diana decidir separar-se da família Real. É um estudo de personagem e um exame delicado da saúde mental de alguém que é afetado pelo isolamento, até mesmo pela fama e pela individualidade.

© Photo credit: Pablo Larraín

“Spencer” é um filme surpreendentemente estranho, com um conjunto de cenas em torno de sonhos e fantasias que entregam uma vibração de um conto de fantasmas. No entanto, há um contexto real para a estranheza, já que a história incide tanto na obsessão de Diana com o passado, como na própria mente a desfazer-se. A princesa é retratada como uma jovem que deseja o livre arbítrio, mas que é constantemente impedida de obtê-lo.

O filme distancia-se emocionalmente na maior parte do tempo, mas no final há uma sensação catártica (mas também agridoce) de alívio. Tecnicamente falando, a fotografia trabalha para fazer com que o ambiente pareça um mundo bonito, expansivo e, ao mesmo tempo, uma prisão.

Diana é visitada por fantasmas, tanto literais como metafóricos. A dada altura, vemos um livro de Ana Bolena no seu quarto com a intenção de a iluminar com gás, e ela começa a ver o espírito da esposa malfadada de Henrique VIII. Por outro lado, uma visita que a Princesa faz à mansão que certa vez chamou “casa”, qual cenário desmoronado e idílico, parece respirar pelos melodramas góticos de David Selznick. Uma cena de jantar a envolver o consumo de pérolas, vê o filme vaguear pelos domínios de David Lynch, enquanto que a diretora de fotografia Claire Mathon corre pelos corredores de Sandringham de uma forma que evoca o Hotel Overlook.

© Photo credit: Pablo Larraín

Larrain e o argumentista Steven Knight definiram esta “fábula de uma verdadeira tragédia”, ao destilar duas décadas de histeria em três dias de ansiedade. Quando a câmara aérea de Larrain se aproxima dos terrenos da propriedade de Sandringham, faz eco de como a prisão é introduzida no início de “The Shawshank Redemption”. Um tiro emprestado de “The Texas Chain Saw Massacre”, numa cena em que morre um faisão, diz-nos o que Larrain tem reservado. É um filme de terror ambientado no Inferno. E, é claro, o Inferno são outras pessoas.

As outras pessoas, neste caso, variam consoante o canto da propriedade que Larrain explora. Nos aposentos de baixo, os criados referem-se à realeza como “eles”, como se mencionar algum nome em concreto desse direito a problemas como dizer Candyman cinco vezes. Desta feita, quando a realeza fala “deles”, é em referência ao público que eles, por sua vez, servem.

Tudo isto, guia-nos à performance de Kristen Stewart. E é notável. O filme repousa sobre os seus ombros nus. Ela desaparece e renasce numa personagem que era amada e odiada, especialmente pela velha guarda. A atriz usa a voz e a linguagem corporal para criar alguém que tem um senso de classe, mas que está constantemente no limite e infeliz.

Stewart é transformadora e transportadora, ao convencer-nos de que estamos a ver a Princesa do Povo e que estamos momentaneamente a viver no seu mundo. Nunca me convenci muito pela lenda ao redor da Princesa do Povo de Diana, e Larrain deixou-se ainda mais confuso. O que é bom. O filme mantém a mente aberta sobre a sua protagonista, mas é verdadeiramente apaixonante pela jovem por quem ela é retratada.

You may also like

Leave a Comment

-
00:00
00:00
Update Required Flash plugin
-
00:00
00:00