A MONSTRA volta a andar à solta por Lisboa!

A 22.ª edição da MONSTRA vai realizar-se de 15 a 26 de março, em Lisboa. O melhor do cinema de animação vai contar com um 423 de filmes, 8 estreias mundiais, 17 estreias internacionais, 70 estreias nacionais, 4 exposições, masterclasses, encontros irrepreensíveis, e muitos convidados especiais!

Fernando Galrito, diretor artístico do Festival de Animação, realça que “esta é uma MONSTRA que comemora centenários, mas que mantém o olhar e uma programação vanguardista, um manifesto de imagens em movimento, de pensamentos e de arte. Uma constante inquietação”.

Sob o tema “Animação e Cultura”, a MONSTRA evidencia a inquietação assente na história da animação em Portugal, através de estéticas e olhares variados. Há 100 anos, o ilustrador Joaquim Guerreiro assinou o primeiro filme animado que se conhece, “O Pesadelo do António Maria”. Um século depois, “Ice Merchants”, do realizador João Gonzalez, é a primeira produção do país nomeada para um Óscar. A celebração deste valioso centenário, em parceria com a Cinemateca Portuguesa, vai também levar ao público filmes em estreia mundial e partilhar conversas através da MONSTRA Summit.
Para comemorarmos o centenário do cinema de animação nacional, vamos ter o privilégio de assistir à maior representação portuguesa de sempre em competição. “Os 480 anos da amizade entre Portugal e o Japão são o mote para a homenagem da MONSTRA à riqueza, emoção, fantasia e poesia da animação japonesa”, explica Fernando Galrito.

Esta viagem cinematográfica começa nos mestres do início do século XX, com filmes históricos, e termina nos de hoje, com um naipe do melhor da animação contemporânea nipónica. Realizadores como Atsushi Wada, Osamu Tezuka, Eiichi Yamamoto e Noburô Ôfuji são alguns dos protagonistas deste itinerário que também homenageia a obra da dupla Renzo e Sayoko Kinoshita, e convida Koji Yamamura, uma das presenças confirmadas este ano, através de uma exposição com 50 desenhos originais de 4 dos seus filmes, de uma retrospetiva dedicada aos mestres japoneses, com a sua curadoria, e de uma masterclass, tudo no Museu do Oriente.

O legado do Studio Ghibli não podia ficar de fora desta edição, com 7 clássicos, entre os quais “Ponyo”, “Porco Rosso”, “The Tale of the Princess Kaguya” e “The Red Turtle” – a primeira coprodução do estúdio de animação com a Europa, em 2016, pelo holandês oscarizado Michaël Dudok de Wit, que visita Lisboa pela primeira vez e leva a cabo uma masterclass acerca do processo criativo deste filme. “Akira”, “Demon Slayer” e “Paprika” são os anime alinhados, assim como uma amostra da nova geração da animação japonesa, pelas universidades de Tama e Tóquio, e uma conversa sobre a magia deste cinema nipónico, com o historiador japonês Ilan Nguyên e a portuguesa especialista em Hayao Miyazaki, Cátia Peres.

Para início do festival está reservada a estreia mundial de um filme criado expressamente para a 22.ª MONSTRA, por jovens japoneses, com música ao vivo, e ainda a exibição exclusiva de “Inu-Oh”, a mais recente obra de Masaaki Yuasa, considerada uma pérola entre os fãs de anime.

Na Competição de Curtas-metragens, destacam-se dois nomeados para os Óscares: “Ice Merchants”, do português João Gonzalez, e “The Flying Sailor”, das canadenses Amanda Forbis e Wendy Tilby, dupla que esteve presente na MONSTRA em 2019. “Amok”, de Balázs Turai (Roménia, Hungria), “Bird in the Peninsula”, de Atsushi Wada (Japão), “Letter to a Pig”, de Tal Kantor (Israel, França), ou “Steakhouse”, de Špela Čadež (Eslovénia, Alemanha, França) somam-se a esta categoria.

A Competição de Longas-metragens apresenta, entre outras, duas obras portuguesas, “Nayola”, de José Miguel Ribeiro, e “Os Demónios do Meu Avô”, de Nuno Beato, e uma coprodução entre França, Itália e Suíça, o filme em stop motion “No Dogs or Italians Allowed”, de Alain Ughetto, que vai estar no festival antes de entrar no circuito das salas de cinema. Há 13 curtas nacionais na corrida pelo Prémio SPA/Vasco Granja, entre elas, “O Casaco Rosa”, de Mónica Santos, “Garrano”, de David Doutel e Vasco Sá, e, novamente, “Ice Merchants”, de João Gonzalez.

Pontuam ainda as competições Perspetivas (onde se encontra mais um nomeado para os Óscares de 2023, “My Year of Dicks”, de Sara Gunnarsdóttir), Curtas-metragens de Estudantes, Curtíssimas e MONSTRINHA – o braço do festival dedicado às crianças e famílias, onde concorrem “Fairy Horses”, de Oksana Nesenenko (Ucrânia), “I’m not afraid!”, de Marita Mayer (Alemanha, Noruega), e 3 películas de Julia Ocker (Alemanha): “T-Rex”, “Cat” e “Squirrel”.

A sessão Animação Experimental, este ano, com a curadoria de Noël Palazzo, codiretora do festival Punto y Raya (Barcelona), apresenta uma seleção de filmes abstratos e animações produzidas no Japão, entre 2007 e 2021, onde são exploradas diversas técnicas, do desenho à mão ao stop motion.

Entre os históricos homenageados na MONSTRA, regressamos à fundação da Walt Disney Company, há 100 anos, altura em que estreou a primeira curta-metragem do mestre norte-americano, “Alice’s Wonderland”, recordada agora numa sessão MONSTRINHA, na Cinemateca Júnior. A sessão segue com títulos da mesma década: “Steamboat Willie” (a primeira curta da Disney sincronizada com som, onde se estreia o rato mais pop de todos os tempos, Mickey Mouse) ou “The Skeleton Dance”. “Peter Pan”, também da Disney, e “Old Czech Legends”, de Jirí Trnka, comemoram 70 anos em 2023 e são revisitados no festival.

A acrescentar às Retrospetivas e Homenagens, vão desfilar trabalhos do croata Borivoj Dovniković e do israelita Gil Alkabetz, ambos desaparecidos em 2022, e ainda uma mostra imperdível de filmes ucranianos. No dia de abertura da 22.ª MONSTRA, a 15 de março, a festa é na Sociedade Nacional de Belas Artes, com um tributo ao artista e realizador alemão Raimund Krumme, ilustre convidado nesta edição, com a inauguração de uma exposição site-specific (até 1 de abril), em que, durante três semanas, vai intervir nas paredes do Salão daquele espaço cultural.

No compromisso da MONSTRA com o programa expositivo, acontecem mais dois momentos, mas que celebram um século desde a exibição de “O Pesadelo do António Maria”, de Joaquim Guerreiro. Na Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema, “100 anos da animação portuguesa” (2 de março a 2 de junho), percorre a história deste cinema até 1985, altura em que estreou “Oh que Calma”, de Abi Feijó, e, no Museu da Marioneta, “Marionetas que Guardam o Tempo” (23 de fevereiro a 23 de abril), mergulha no passado e no presente, através dos acessórios, cenários originais e marionetas que integram filmes icónicos e outros em estreia absoluta na MONSTRA, de animação de marionetas, made in Portugal.

Também fora do ecrã, a Koji Yamamura e Michaël Dudok de Wit, juntam-se dezenas de outros convidados, em Lisboa, para conduzirem masterclasses e workshops únicos, como Joan C. Gratz, Joanna Quinn, Les Mills, Martin Smatana, Florence Miailhe, Maya Yonesho, José Miguel Ribeiro, Bruno Caetano, Nuno Beato ou Tal Kantor.

MONSTRINHA Baby e MONSTRINHA Pais e Filhos são alguns dos programas que preenchem os fins de semana, com curtas e longas metragens, e sessões no Cinema São Jorge, Museu Nacional de Etnologia, Centro Cultural de Carnide e Centro de Artes de Sines.

As acreditações para os amantes da MONSTRA já estão disponíveis, com valores especiais. Garantam já os vossos passes! A programação completa e todas as informações estão disponíveis em: www.monstrafestival.com.

Posts relacionados

Saltburn – Crítica Filme

Argylle – Crítica Filme

Onde ver todos os nomeados aos Óscares 2024!