close
CríticasFilmes

Instant Family (Família Instantânea: A adopção como primeira escolha

Sean Anders traz-nos novamente um filme que apela à família, baseado na sua própria ou, neste caso, à adopção da sua com Instant Family (Família Instantânea).

Sabemos logo antes de ver o filme que estamos perante uma historia que pretende ser emotiva ao ponto de derreter os corações dos espectadores e que acima de tudo quer ser apelativa, chamar a atenção para o assunto principal. E a fórmula resultou.

instant family ellie e pete

Instant Family ganha por ser um filme que mistura comédia com algumas situações mais complicadas (e totalmente verídicas) que os pais têm de lidar durante o crescimento dos filhos.

Isto não melhora quando em vez de ser o crescimento de um, é o crescimento de três filhos ao mesmo tempo de idades diferentes num ambiente completamente novo ao qual não estão habituados.

A decisão de adoptar por parte de Ellie (Rose Byrne) e Pete (Mark Wahlberg) deveu-se ao facto de quererem adicionar algo à sua rotina e por acharem que podiam fazer a diferença na vida de alguém. Isto faz sentido visto que a profissão dos dois é literalmente a remodelação de casas.

São pequenas coisas que tornam o filme doce e cómico: O facto de a mais nova, Lita (Julianna Gamiz) dizer “Obrigada, papá” e Ellie ficar “invejosa”; quando o Juan (Gustavo Quiroz) diz “boa noite, mamã” e Ellie nem consegue acreditar e como tal tenta acordá-lo para que ele repita; Ou até mesmo quando Ellie e Pete estão indecisos se devem dar um beijo de boas noites aos novos filhos.

Rose Byrne and Isabela Moner in Instant Family

Mas o que ao início parecia fácil, rapidamente se torna um desastre pelo meio mas há laços que vão sendo criados e a família constrói-se aos poucos.

Sim, este filme tenta apelar à questão da adopção como alternativa (e às vezes como primeira escolha) e de haver muitas crianças à espera de um lar. E claro, há todo um sentimento quando vemos uma família a ser iniciada (ou várias no caso deste filme).

Diria que o que peca mais neste filme é por vezes poder cair no cliché ou exagerar algumas vezes. Apesar de tudo, é um filme leve, divertido – sim, é muito engraçado ver as situações com Lizzy, Juan e Lita, especialmente devido às suas personalidades e idades.

Review overview

Representação 6.5
Realização 5.5
Argumento 5
Banda Sonora 3
Fotografia 5.5

Summary

5.1 Rating

The Golden Take

The author The Golden Take

%d bloggers like this: